Notícias

Notícias

16 Janeiro - Pionner acrescenta algo à comunidade de MTG? by André Sousa*

Pionner, o mais recente formato de Magic: The Gathering criado pela Wizards of the Cost, abrange todas as cartas que foram legais a uma determinada altura em Standard desde Return to Ravnica.

Ao criar este novo formato, a Wizards tinha como objetivo que as pessoas usassem a cartas que já tinham saído da rotação de Standard e não "viam jogo" noutros formatos.

A meu ver, um outro aspeto muito importante que Pionner trouxe à comunidade foi a sensação de nostalgia.

A título de exemplo o deck de contadores na época de Kaladesh e Aether Revolt, que envolvia ter um ou mais Winding Constrictor’s em campo e fazer com que criaturas como Walking Ballista’s entrassem em campo enormes e serem maiores que todas as criaturas que o oponente controlava.

Como o formato não se limita a esses dois sets, o deck também teve umas melhorias bastante reconfortantes, como Voracious Hydra; Vívian, Arkbow Ranger; Stonecoil Serpent, mas nenhuma delas é tão boa como dar um segundo coração ao deck: Hardened Scales é simplesmente um segundo Winding Constricor, com a vantagem de custar menos mana e ser mais difícil de remover por ser um encantamento.

Muitos outros decks dão a sensação de nostalgia às pessoas.

Esses mesmos decks também receberam melhorias significativas, tais como Mono Red Aggro ou Boros Feather. No entanto, existem outros, que melhor relembram as pessoas através de Modern. Quando Faithless Looting levou com o martelo da Wizards, para além do Hoggak, obviamente, o segundo deck mais afectado foi Izzet Phoenix, de tal maneira que deixou de haver boas maneiras de descartar as Phoenix para o grave, o que levou à completa destruição do deck.

No entanto, agora com Pionner, Izzet Phoenix está de volta e é um dos decks mais populares do formato. Apesar de não ter Faithless looting, existem outras maneiras bastantes viáveis de descartar as cartas e estas são: Lightning Axe, Chart a Course, Izzet Charm e Strategic Planning.

Como o formato é mais lento do que Modern, pois as Fetch Lands estão banidas desde o primeiro dia, o deck tem tempo de usar cartas de descarte um pouco mais lentas.

Burn, Dredge e Blue-White Control são outros decks que trazem nostalgia a jogadores de Modern.

Muitos outros decks estiveram populares, mas a Wizards of the Coast considerou que eram demasiado fortes para o mais recente formato e, portanto baniu cartas chave, e assim esses decks deixassem de ser uma opção. Alguns exemplos desses banimentos foram Felidar Guardian, que combava com o Planeswalker Saheeli Rai e tinha-se infinitos gatos 1/4 com haste, o que é basicamente dano infinito. Este combo conseguia-se estabelecer logo no turno 4. Outras cartas que se juntam à lista de banes de Pionner são: Field of the Dead; Leyline of Abundance; Nexus of Fate; Oath of Nissa; Oko, Thief of Crowns; Once Upon a Time; Smuggler’s Copter and Veil of Summer.

Qual o maior problema de Pionner?

Neste momento, são os constantes banimentos da WOTC, pois não dão muita oportunidade às pessoas de investirem num deck que poderá acabar banido passado umas semanas.

Em conclusão, este novo formato trouxe um sentimento de nostalgia enorme às pessoas, pois estas poderão jogar os decks que mais gostaram seja de Standard ou Modern. No entanto, para as pessoas se comprometerem mesmo com Pionner, o formato tem de estabilizar e os banimentos constantes têm de parar. Contudo, de um modo geral, acho que Pionner foi uma boa adição à comunidade de Magic: The Gathering.

 

*André Sousa começou a jogar em 2011 com o starter deck de Galvanoth, o Mirroncy deck. Ele adora dar counter nos feitiços dos oponentes, jogar para o late game e também jogar com decks de combo. Ele gosta de de decks que o fazem pensar e têm interação com o seu oponente. Desde que ele começou a jogar de azul que se apaixonou com essa cor e, por isso, os seus pares de cores favoritos são azul - vermelho e azul - preto.